Sons da Liberdade * Frente Popular

Fotografias do concerto de Frente Popular no Sons da Liberdade no Vox Café n’A Voz do Operário.

Fotografia por PPR, clique na imagem para avançar.

Fotos de Come-se a Pele? no Sons da Liberdade

Come-se a Pele? são Patrícia Filipe e Filipe Leote.
Fotografia de PPR.

Sons da Liberdade #5 – Inmyths e Come-se a Pele?


Clique para avançar.

Jorge Rivotti e Ahí Namá ao vivo no Sons da Liberdade

Caros Libertinos Sonoros,

Estamos a caminho da sexta edição do Sons da Liberdade, dia 17 de Outubro, próxima sexta-feira.

Na presente edição contamos com Jorge Rivotti, cantautor especialista em descomprimir. O concerto do músico, artista plástico e professor, é na “verdade” um desconcerto, dada a capacidade de empatia e comunicação com o público que corresponde derretido. Dá-se um loop de paz e amor, como uma cascata de boas vibrações com traços da música tradicional e popular portuguesa psicadélica com espírito rock’n’roll. Tudo fruto da sua arte, na composição, arranjo e escrita. “Canções de Amor Pintadas de Amarelo” foi o trabalho que escolheu dar-nos a conhecer no programa de rádio Arquitectura do Ruído na Rádio Zero, marco da sua carreira riquíssima em colaborações, participações, concertos, rádio/televisão… Ouvinte atento de muita música é detentor de uma cultura musical muito extensa, actuando neste projecto em nome próprio como espaço de experimentação da canção.

Ahí Namá é expressão popular e celebração da música tradicional cubana em Lisboa. O projecto chegou-nos através de Jorge Valadas e o repertório faz jus ao que de melhor musicalmente conhecemos da ilha caribenha, propondo um alinhamento recheado de temas tradicionais e menos conhecidos do Caribe. No Vox Café n’A Voz do Operário estarão a alma cubana da havanesa Betty (Beatríz Días), música de formação, bailarina, professora e mais recentemente assumida artista plástica, autora da ilustração que dá corpo ao cartaz do concerto; a voz, guitarra e tres, guitarra cubana, do luandense Ricardo Gouveia; e a percussão do lisboeta Jorge Valadas, todos músicos do mundo na cosmopolita grande Lisboa.
Características do projecto são a qualidade dos músicos, a alma e expressividade da interpretação e o insólito das Caraíbas.

Na reunião de preparação do concerto em casa de Rivotti, lançada e aceite uma proposta, a voz de Betty foi uma surpresa, mesmo sem aquecimento vocal. Com Valadas a fazer percussão com as mãos, a cantora guitarrista e Rivotti conheceram-se a tocar, fixando logo ali ideias.

6sdl

Por perto há sempre lugar para deixar o carro, seja na rua da Voz, seja no Campo de Santa Clara, e mais à frente em Sapadores, há a rede da madrugada de autocarros para toda a cidade.

Sexta-feira preparámos uma noite especial de colaboração entre artistas e expressões musicais e esperamos contar convosco/consigo/contigo entre o público do Sons da Liberdade!

Abraço ruidoso,
PPR

cartaz_a3_1

Registo de Come-se a pele? ao vivo no Sons da Liberdade

Caros Libertinos Sonoros,

Queremos agradecer a todos os que fizeram do concerto de Inmyths e Come-se a pele? uma noite inesquecível! Músicos, convidada, público, entusiastas e Vox Café.

Deixamos um cumprimento a Maria João Fura por ter aceite o convite para se apresentar no palco trazendo sons inéditos do seu primeiro trabalho, ainda sem nome, e a produção envia um abraço por ter ido a casa buscar um cabo estéreo em condições. Contou-nos como começou a sua aventura cantautor.

Partilhamos o registo de Come-se a pele? como aperitivo para o concerto da próxima semana, Jorge Rivotti e Ahí Namá, cantautor e música tradicional cubana, sempre às sextas, com estacionamento perto e com o PPR para vos conduzir a noite.

Abraço Ruidoso, PPR

Concerto de Inmyths e Come-se a pele? é já amanhã!

Caros Libertinos Sonoros,

O concerto de Inmyths e Come-se a pele? no Vox Café n’A Voz do Operário 22:00, é já amanhã e a previsão meteorológica é de 22ºC a 14ºC e céu parcialmente nublado.

É capaz de não chover, mas é natural que sim pois temos esta nova estação do ano que é o Outono Tropical.

Levantando um pouco o véu, Inmyths actuarão às 23:00 e Come-se a pele? às 00:00.
Às 22:00 apresentar-vos-ei Maria João Fura com quem estarei à conversa durante 15 minutos e da qual passarei o som que a cantautor nos trouxer, com o intuito de vo-la apresentar claro, mas também para aquecer as hostes até ao início do concerto.

Em todo o caso, se trouxerem o guarda-chuva de quatro rodas, queremos-vos descansar pois há sempre muitos lugares na rua da Voz do Operário e no Campo de Santa Clara até às 2:00, antes da feira da Ladra.
Somos nós que estamos a animar regularmente esta emblemática parte da Graça e da cidade de Lisboa.

Está tudo a postos e esta semana contamos com luzes especiais para o concerto especial de Inmyths e Come-se a pele?.

Não se esqueçam de subscrever a newsletter, temos 10 entradas livres para os 10 primeiros libertinos sonoros que se apresentarem constando na lista. Subscrevam em http://www.arquitecturadoruido.com/newsletter/

Esperamos por vós e recebam este tropical Abraço Ruidoso!
PPR
91 248 65 87
arquitecturadoruido@gmail.com

Sons da Liberdade #5 – Concerto de Inmyths e Come-se a pele? no Vox Café n’A Voz do Operário, esta sexta-feira 10 às 22:00

Concerto sexta-feira 10 às 22:00 no Vox Café n’A Voz do Operário.
Evento Facebook.

Inmyths é o projecto de Hugo Celso, autor multifacetado, compositor, interprete do conceito alt-folk que criou.
O concerto passará pelo álbum Holloways, trabalho onde o cantautor olha para o mito da escassez (scarcity), auto-justificativo gerador do pior do actual sistema económico.
“When we think that everything is scarce, we forget that the only thing truly scarce for Humanity is in reality… time”.
Inmyths tem a visão crítica do autor dirigida aos actuais governantes do mundo que insistem em levar-nos para caminhos vazios que não resolvem coisa nenhuma.
Critica a mentira, o fomento da desesperança e do medo, a desigualdade, as segregações cultural e social, revelando-se um espectador atento aos sinais do mundo.
Hugo Celso apresenta-se na voz e guitarra folk, acompanhado por Ricardo Mota na guitarra eléctrica e João Castelo nas teclas e programações.
BIO

Come-se a pele? é um jogo sonoro de engano entre o português e o francês, meio entre o que se come e como se chama.
Patrícia Filipe (cantora e compositora em Xú) decidiu levar o seu tempo a apresentar o projecto onde canta e encarna.
Há alguns anos atrás visitámos um ensaio onde conhecemos na artista plástica a capacidade de encarnar e usar na performance as ferramentas do corpo com ironia e provocação. Entretanto o projecto amadureceu com a colaboração importante de Filipe Leote (Liriscumbrus, Kromleqs, Traumático Desmame, Presidente Drogado, e muitas colaborações) nas cordas, voz e efeitos.
Temos a expectativa de um excelente concerto com Come-se a pele? depois do feed-back positivo dos concertos no CRA, RDA69 e Horiginal.
SITE

As magníficas as ilustrações do cartaz são de Ali Akbar Sadeghi Studio e Noureddin Zarrinkelk, ilustres artistas iranianos, aos quais prestamos homenagem e divulgamos o trabalho.
No início do evento, pelas 22:00, na fase de aquecimento radiofónico, teremos em palco para umas breves palavras, Maria João Fura, que actuará no Vox Café dia 7 de Novembro.

Até sexta!!!
PPR

cartaz_5