101ª Edição – Convidado no AR: Tiago Gomes – O autor e a sua playlist

101

Então o ministério da rádio
decretou que depois daquele dia
quando o sol saísse
seriam passadas músicas revolucionárias.

[O MINISTÉRIO DA RÁDIO, Tiago Gomes, Obra Poética]

PODCAST
[download]

É difícil reconstituir o momento em que conhecemos Tiago Gomes.
Das noites mais remotas dos finais de 1980 nos já aí terminais Jukebox ou Rock-Rendez-Vous, do nascimento da ZDB [associação da qual foi fundador] e o saudoso Festival Atlântico, dos caóticos concertos de punk-rock, passando pelo mais recente, já fechado à actividade cultural, Maxime, muitas são as hipóteses de termos conhecido aí o autor.
Isto claro, para lá das múltiplas hipóteses de isso ter acontecido durante uma amnésia boémia numa recôndita tasca do Cais-do-Sodré, a copos de poesia e livros de vinho.

Em suma, Tiago Gomes está em todo o lado porque está ligado intimamente ao pulsar criativo de Lisboa, seja quando faz letras para bandas como A Naifa e Linha da Frente ou quando dá voz a projectos musicais como Os Inspectores, PIGS, THE BIG LEBOWSKIS, entre muitas outras colaborações.
Como Performer dedica-se à poesia em acção.

Nascido em 1971, tem vários livros publicados, nomeadamente Auto-Ajuda pela Mariposa Azual, reunindo “Caixa negra de avião desviado por ataque terrorista”, “Homem vago em cinzento”, “Viola-me eléctrica” e “Brincadeiras com cianeto”, editados nos anos 1990 e já esgotados(…) e A Obra Poética pelas Edições Baile del Sol, porém é com a saudosa Revista Bíblia que Tiago Gomes firma um momento ímpar na história editorial independente.

Como tal, este programa reveste-se de todo o interesse, porque mais do que um amigo que vem visitar o programa trazendo a sua playlist [estamos espectantes!], é alguém com quem nos identificamos por representar a primeira geração de autores nativos do Portugal pós-25 de Abril, em muito portadora do futuro cultural do país.

PPR